Veja abaixo a nossa newsletter com matérias sobre saúde do coração e diabetes.

Tá na mídia

Para notícias internacionais e outros materiais, como infográficos, fotos e vídeos sobre o diabetes e outras áreas terapêuticas, visite o site global da Novo Nordisk clicando aqui (em inglês).

Matérias

7 dicas vitais para não descuidar do diabetes no verão

Dias quentes são mais propícios para descontroles na glicemia e temperatura corporal

7 dicas vitais para não descuidar do diabetes no verão

É só chegar o verão que uma ilustre contraposição vem à tona para gerar, literalmente, debates acalorados. Afinal, há quem ame essa estação. Mas, também, há quem odeie.

Certo é que longe de ser unanimidade, o período mais quente e úmido do ano impacta não só no humor e ânimo das pessoas. Reflete, de forma significativa, no corpo como um todo, que pode vir a sofrer efeitos negativos se cuidados redobrados com a saúde não forem tomados.

O alerta vale para todos – com ênfase para crianças, idosos e quem tem algum tipo de doença crônica –, mas importante dizer que pacientes com diabetes precisam adotar uma rotina ainda mais cautelosa, pois o calor extremo pode ser especialmente prejudicial para eles.

 

Riscos aumentados de alterações da glicemia

Se por um lado o verão proporciona dias agradáveis de praia e piscina, viabiliza maior contato com a natureza, motiva a realização de práticas esportivas e encontros ao ar livre, vimos que, por outro lado, aumenta as chances de danos ao organismo. E na presença do diabetes os prejuízos são potencializados por alguns motivos.

Primeiro, porque altas temperaturas induzem à desidratação, que por sua vez eleva o risco de hiperglicemia (aumento dos níveis de glicose no sangue). Segundo porque a condição oposta, a hipoglicemia (queda da glicemia), também é um fantasma recorrente, já que a ação da insulina pode se alterar em dias mais quentes.1

Outro grande problema a ser superado refere-se à incapacidade de aumentar os índices de transpiração conforme os números no termômetro sobem, vivenciada por pacientes com diabetes. O que pode elevar a temperatura corporal para acima de 36,7°C durante o verão.

O que explica esse fator agravante é uma condição bastante conhecida por indivíduos que convivem com a patologia: a chamada neuropatia diabética, que é uma das principais complicações tardias que podem surgir com a evolução crônica do diabetes mellitus.2

 

Calor x neuropatia diabética

Termo usado na medicina para descrever as lesões dos nervos ocasionadas pela glicemia elevada3, a neuropatia diabética possui lento desenvolvimento, é geralmente assintomática e acomete em torno de 50% de todos os pacientes com diabetes tipo 1 e tipo 2 que tenham a doença há mais de 25 anos.4

Uma curiosidade dessa enfermidade que não tem cura e que atinge o sistema nervoso periférico é que ela pode prejudicar um único nervo, um grupo de nervos ou nervos no corpo inteiro.5

Por ora, nos interessa saber que a associação entre o aumento da temperatura corporal no verão e o diabetes se fundamenta pela neuropatia diabética autonômica, categoria responsável por danificar os nervos que regem as funções involuntárias do corpo. Ou seja, por prejudicar o controle de ações ligadas aos sistemas cardiovascular, gastrointestinal e geniturinário (órgãos genitais e urinários) e, também, às glândulas sudoríparas.6

E aqui chegamos ao ponto: como a produção do suor cabe às glândulas sudoríparas, na incidência de falhas em seu funcionamento o corpo não consegue transpirar o suficiente para se resfriar quando a temperatura interna aumenta. Cenário que pode levar a quadros de hipertermia (temperatura corporal mais alta do que o normal).

 

7 dicas para minimizar riscos no verão, tendo diabetes

Seja para prevenir crises de hiperglicemia, de hipoglicemia ou pela possibilidade elevada de hipertermia, impedir que a temperatura corporal chegue a patamares capazes de comprometer o organismo é fundamental quando o assunto é o diabetes.

Então, anote algumas dicas essenciais para driblar o calor excessivo e diminuir ameaças à saúde no verão, tendo diabetes:

  • Hidrate-se com frequência: quanto mais quente o clima, mais o corpo transpira e mais água corpórea é perdida. E quando a água eliminada pelo suor não é reposta com rapidez, acontece a desidratação, que, em contrapartida, facilita o acúmulo de açúcar na corrente sanguínea, agravando o diabetes.1

    Assim, beba entre 1,5 a 2 litros de água todos os dias e, se a temperatura ambiente estiver muito elevada, aumente essa quantidade para manter a hidratação.7

  • Faça refeições leves e equilibradas: como no calor o corpo gasta menos energia para manter a temperatura interna ideal (entre 36ºC e 36,7ºC), é comum sentir menos fome. Contudo, alterar a rotina alimentar não é recomendado, porque tanto a diminuição do apetite quanto temperaturas elevadas implicam em maior perda de líquidos e nutrientes.

    Desta forma, siga com uma alimentação balanceada no verão, distribuída em porções e horários regulares.7 O equilíbrio glicêmico se beneficia de refeições equilibradas e leves: ricas em fibras, proteínas magras, vitaminas e minerais, e pobres em açúcares. Combinação perfeita para minimizar episódios de hiperglicemia e hipoglicemia.

  • Fique atento ao excesso de exposição solar: evite o sol entre 10h e 16h. Aplique protetor solar com no mínimo FPS 15 cerca de 30 minutos antes da exposição, reaplicando o produto a cada 2 horas de exposição contínua ou após mergulho, exercício ou suor excessivo. Use também protetor labial e abuse de roupas leves, chapéu e óculos de sol.8

    Além disso, procure não administrar insulina nas áreas do corpo frequentemente expostas ao sol, pois isso aumenta a velocidade de absorção do hormônio.8

  • Não abuse ao se exercitar: exercícios reduzem os níveis de glicose no sangue, ajudam a regular a pressão arterial e o colesterol, mas atividades físicas em excesso ou esforços contínuos de qualquer natureza devem ser evitados em dias quentes. Procure locais com sombra ou mais arborizados para as dinâmicas ao ar livre, hidrate-se bem durante toda a prática esportiva e confira a taxa de glicemia no início e ao final dos treinos.1

  • Proteja medicação e materiais de medição da glicose do calor: tanto a medicação oral quanto a insulina, tiras e medidores de glicose devem ser armazenados em condições adequadas, devendo ficar fora do alcance do sol e em locais arejados, pois o calor intenso pode danificá-los. Lembre-se que a insulina deve ser conservada a temperaturas inferiores a 25-30º, e que algumas medicações precisam ser armazenadas sob refrigeração.7

    Portanto, se você faz uso de insulina e seus níveis de glicose estão altos constantemente, considere se a mesma perdeu a ação devido ao calor acentuado.

  • Fique de olho na ação da insulina: e por falar na ação da insulina, no verão pode ser necessário ajustar a dosagem do hormônio exógeno para o correto tratamento do diabetes. Como o fluxo sanguíneo aumenta naturalmente quando faz muito calor, é comum que a insulina seja absorvida mais rapidamente e seu efeito passe mais rápido. Então, busque ajuda médica para correta prescrição da conduta, sendo que aumentar a frequência com que se mede a glicemia é também indicado.9

  • Cuide bem dos pés: se você apresenta alterações de sensibilidade nos pés ou se tem neuropatia diabética, opte por calçados confortáveis, não deixe os pés molhados por muito tempo e utilize meias de algodão sem costuras internas para facilitar a respiração da pele.7 Mantenha a região sempre hidratada, mas sem passar creme entre os dedos.6

    Por fim, fique atento à somatória de sintomas clássicos de estresse ao calor como: dor de cabeça, tontura e confusão, perda de apetite, fraqueza, transpiração excessiva, sede intensa, pele pálida e pegajosa, cãibras nos braços e pernas, pressão baixa, aumento da frequência respiratória ou cardíaca e temperatura corporal de 38°C ou acima. Como mecanismo de defesa, o organismo se manifesta por sinais quando algo não vai bem.10

Nota importante: O conteúdo deste site não substitui a necessidade de acompanhamento médico para fins de diagnósticos e aconselhamentos. Não desconsidere ou altere tratamentos orientados por profissionais da saúde, e busque por atendimento clínico sempre que necessário.

 

  1. Hospital São Lucas Copacabana. Diabetes requer atenção redobrada no verão. Disponível em https://saolucascopacabana.com.br/pt/sobre-nos/blog/diabetes-requer-atencao-redobrada-no-verao - Visualizado em 29/12/21.
  2. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Projeto Diretrizes, Ed. 2005, Diabetes Mellitus: Neuropatia. Disponível em https://amb.org.br/files/_BibliotecaAntiga/diabetes-mellitus-neuropatia.pdf - Visualizado em 29/12/21.
  3. Secretaria de Saúde do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Neuropatia Diabética. Disponível em http://www.riocomsaude.rj.gov.br/site/Arq/NeuropatiaDiabetica.pdf - Visualizado em 29/12/21.
  4. PINTO, Liandra. Efeitos Climáticos na Neuropatia Diabética. Disponível em https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/11865/1/DM_LiandraPinto.pdf - Visualizado em 29/12/21.
  5. Hilab. O que é a neuropatia diabética? Disponível em https://hilab.com.br/blog/o-que-e-neuropatia-diabetica/ - Visualizado em 29/12/21.
  6. Clínica & SPA Vida Natural. Neuropatia diabética: uma consequência silenciosa e perigosa do diabetes. Disponível em https://www.vidanatural.org.br/neuropatia-diabetica/ - Visualizado em 29/12/21.
  7. Sociedade Brasileira de diabetes http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2020/02/Diretrizes-Sociedade-Brasileira-de-Diabetes-2019-2020.pdf - Visualizado em 17/01/22.
  8. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Queimaduras de sol. Disponível em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/34queimadura.html - Visualizado em 03/01/22.
  9. UOL/Jornal do Tempo. Sintomas de diabetes pioram no calor. Disponível em https://jornaldotempo.uol.com.br/noticias.html/61580/sintomas-de-diabetes-pioram-no-calor/ - Visualizado em 03/01/22.
  10. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC). Estresse ao calor: como temperaturas altas afetam a saúde da população. Disponível em https://www.sbmfc.org.br/noticias/estresse-ao-calor-como-temperaturas-altas-afetam-a-saude-da-populacao/ - Visualizado em 05/01/22.

Contato Imprensa

Approach Comunicação


Carolina Landi - carolina.landi@approach.com.br - Tel: +55 (21) 99462-2448

Matheus Steinmeier - matheus.steinmeier@approach.com.br - Tel: +55 (11) 96566-7194

Júlia Baptista - julia.baptista@approach.com.br - Tel: +55 (11) 97535-8165

Mariana Geraldine - mariana.geraldine@approach.com.br - Tel: +55 (11) 98932-1448

Fale sempre com seu médico.

Acompanhamento com seu médico de confiança e realização de exames regulares podem ajudar você a controlar o diabetes, além de colaborar para reduzir as chances de doenças cardíacas ou de derrame (AVC).

Em menos de um minuto você pode descobrir seus fatores de risco para o coração.

Conheça os principais sintomas que podem estar associados a doenças cardiovasculares.