Veja abaixo a nossa newsletter com matérias sobre saúde do coração e diabetes.

Tá na mídia

Para notícias internacionais e outros materiais, como infográficos, fotos e vídeos sobre o diabetes e outras áreas terapêuticas, visite o site global da Novo Nordisk clicando aqui (em inglês).

Matérias

Hipoglicemia em pacientes com diabetes: causas, sintomas e tratamentos.

Desordem hipoglicêmica afeta cerca de 90% das pessoas com diabetes que usam insulina.

Hipoglicemia em pacientes com diabetes

Sempre que o assunto é o diabetes, imediatamente o termo hiperglicemia se destaca, uma vez que essa doença crônica deriva-se de elevadas taxas de açúcar (glicose) na corrente sanguínea. Entretanto, a condição contrária, denominada hipoglicemia e que ocorre quando os níveis de glicose no sangue caem muito, também precisa ser reconhecida como um obstáculo bastante comum a ser superado por quem tem diabetes.

Na prática clínica, a hipoglicemia se configura quando a glicose circulante no sangue baixa para menos de 70 mg/dL em jejum¹, sendo que a desordem é classificada em três níveis:²

  • Nível 1: valores entre 69 – 54 mg/dL.
  • Nível 2: valores menores que 54 mg/dL (< 54 mg/dL).
  • Nível 3: hipoglicemia severa (independentemente do valor, gera comprometimento cognitivo grave que requer assistência com uso de glucagon e/ou apoio hospitalar).

Vale ressaltar que esses valores são referenciais e podem variar um pouco de acordo com a idade e as condições gerais e individuais de saúde. Por isso, é essencial que pessoas com diabetes mellitus façam acompanhamento médico para entender quais índices são aceitáveis e seguros para o seu organismo.

Causas da hipoglicemia

A hipoglicemia é uma condição que pode se manifestar de diferentes formas e em qualquer pessoa. Contudo, acomete com bem mais frequência pacientes com diabetes que fazem uso excessivo e/ou incorreto de insulina – o que é comum em pacientes com diabetes tipo 1 ou diabetes tipo 2 em fase avançada – já que a insulinoterapia estimula a secreção desse hormônio pelo pâncreas.

Segundo dados informados pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), cerca de 90% das pessoas que utilizam insulina são afetadas por episódios de hipoglicemia³. Mas, afinal, por que essa maior suscetibilidade?

A função da insulina é permitir que o açúcar ingerido entre rapidamente nas células, para ser então convertido em fonte de energia e não se acumular no sangue, mas quando usada em altas dosagens, acaba por hiperestimular esse processo.

Temos então um cenário perfeito para quedas das taxas de glicemia, que também podem ocorrer em razão de outros fatores de risco, isolados ou em conjunto. São eles: o jejum prolongado (pular refeições), a ingestão insuficiente de carboidratos e a realização de atividades físicas mais intensas que o normal ou não planejadas.⁴ Sem falar no consumo de bebidas alcoólicas sem alimentação prévia, entre outros.

Descobrir o que costuma agir como gatilho em cada caso, entender os sintomas e contar com ajuda médica para saber qual protocolo seguir em situações hipoglicêmicas é essencial. Não só para regular os níveis de açúcar no sangue o quanto antes, mas, principalmente para impedir que as crises tornem-se graves e ainda mais perigosas.

Principais sintomas da hipoglicemia

Muitos são os sintomas que podem indicar um evento de hipoglicemia, sendo que os sinais costumam ser leves em um primeiro momento (neurogênicos), podendo vir a evoluir para mais graves (neuroglicopênicos). São os mais relatados:⁵-⁶

  • Palidez;
  • Sudorese;
  • Tremor;
  • Fome;
  • Tontura;
  • Palpitações;
  • Sonolência;
  • Dor de cabeça;
  • Sensação de calor;
  • Nervosismo e ansiedade;
  • Náusea, seguida ou não de vômito;
  • Dormência nos lábios ou membros (parestesia);
  • Pesadelos (quando a hipoglicemia é noturna); • Fala arrastada;
  • Visão embaçada;
  • Falta de coordenação motora;
  • Dificuldade para se concentrar;
  • Incapacidade de reagir e de expressar emoções (letargia);
  • Redução do nível de consciência;
  • Sensação de desmaio;
  • Crises convulsivas;
  • Coma.

Nem sempre os sintomas são iguais para todos, mas costumam ser consistentes de um episódio para outro em um mesmo indivíduo. Enquanto uns têm manifestações leves que inclusive podem nem ser percebidas – mesmo quando evidentes para o observador –, outros sofrem com reações mais extremas nas crises hipoglicêmicas, que podem levar a convulsões, coma e até morte.

Na presença dos primeiros sinais, o mais indicado é medir os níveis de açúcar no sangue com equipamento de automonitorização da glicemia capilar (glicosímetro) para confirmar o diagnóstico e, então, iniciar o tratamento indicado previamente pelo médico na tentativa de reverter a hipoglicemia.

Tratamento para hipoglicemia leve a moderada

De modo geral, a forma de tratamento de crises hipoglicêmicas vai depender da gravidade dos sintomas. Por isso, saber identificar que o corpo está prestes a sofrer com baixos níveis de glicose e agir o quanto antes é vital. Afinal, todo tratamento precoce é muito mais eficaz.

Na presença de sintomas leves em que não há perda da consciência, a disfunção pode ser revertida seguindo a regra “15-15”, como orienta a Associação Americana de Diabetes (ADA, sigla em inglês): consumir 15 gramas de carboidratos simples (de rápida absorção) e verificar a glicemia após 15 minutos.⁷

Segundo a ADA, essa quantidade pode ser obtida com uma colher de sopa de açúcar (diluída em água), mel ou xarope de milho; 150 ml de suco (de laranja é boa opção) ou refrigerantes não dietéticos; balas de goma ou mastigáveis (ver o rótulo para saber quantas consumir); ou, ainda, comprimidos, sachês ou pastilhas de glicose especialmente desenvolvidas para pessoas com diabetes (verificando as instruções).

Se, passados 15 minutos, a glicemia ainda estiver abaixo de 70 mg/dL, deve-se repetir o processo anterior até que normalize, com o devido cuidado de não extrapolar o consumo do açúcar e o quadro evoluir para hiperglicemia. Além disso, deve-se fazer uma refeição ou lanche assim que o açúcar no sangue voltar ao normal, para garantir que não baixe novamente.

Se a condição hipoglicêmica persistir, é recomendável recorrer ao atendimento hospitalar com o auxílio de um acompanhante, pois dirigir sozinho nessas situações é inviável, pelo alto risco de acidentes de trânsito.

O que fazer em casos de crise hipoglicêmica severa

A condução ao hospital é também a forma de socorro mais indicada em situações que a hipoglicemia for mais grave e provocar desmaios, redução de consciência ou crises convulsivas. O protocolo médico nesses casos é, em um primeiro momento, administrar glicose por via intravenosa para imediata correção da glicemia.⁸

Em tempo: é indicado que todo paciente em uso de insulina que passe por frequentes crises hipoglicêmicas graves carregue consigo kit com glucagon, que pode ser injetado, administrado ou soprado na narina, para ser utilizado conforme orientação médica em situações de emergência.⁹

Nota Importante: O conteúdo deste site não substitui a necessidade de acompanhamento médico para fins de diagnósticos e aconselhamentos. Não desconsidere ou altere tratamentos orientados por profissionais da saúde e busque por atendimento clínico sempre que necessário.

 
 
  1. International Diabetes Federation (IDF/Federação Internacional de Diabetes). Disponível em: https://idf.org/our-activities/care-prevention/hypoglycaemia.html - Visualizado em 09/11/21.
  2. Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). Disponível em: https://diabetes.org.br/hipoglicemia-qual-a-melhor-forma-de-corrigir/ - Visualizado em 09/11/21.
  3. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Paraná (SBEM-PR). Disponível em: https://www.sbempr.org.br/noticia/hipoglicemia-pode-aumentar-risco-cardiovascular/81 - Visualizado em 09/11/21.
  4. Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP). Disponível em: https://apdp.pt/diabetes/a-pessoa-com-diabetes/hiperglicemia/ - Visualizado em 09/11/21.
  5. FREIRE, D.S.; SEBASTIANES, F.M. Hipoglicemia. Disponível em: https://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/1358/hipoglicemia.htm - Visualizado em 09/11/21
  6. Manual MSD. Hipoglicemia. Disponível https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-hormonais-e-metab%C3%B3licos/diabetes-mellitus-dm-e-dist%C3%BArbios-do-metabolismo-da-glicose-no-sangue/hipoglicemia - Visualizado em 09/11/21.
  7. American Diabetes Association (ADA/Associação Americana de Diabetes). Disponível em: https://www.diabetes.org/healthy-living/medication-treatments/blood-glucose-testing-and-control/hypoglycemia - Visualizado em 09/11/21.
  8. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Disciplina de Endocrinologia e Metabologia – Tratamento de Emergência das Hipoglicemias. Disponível em: https://www.endocrinologiausp.com.br/tratamento-de-emergencia-das-hipoglicemias/ - Visualizado em 09/11/21.
  9. Portal Drauzio Varella. Disponível em https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/hipoglicemia/ - Visualizado em 09/11/21.

Contato Imprensa

Approach Comunicação


Carolina Landi - carolina.landi@approach.com.br - Tel: +55 (21) 99462-2448

Matheus Steinmeier - matheus.steinmeier@approach.com.br - Tel: +55 (11) 96566-7194

Júlia Baptista - julia.baptista@approach.com.br - Tel: +55 (11) 97535-8165

Mariana Geraldine - mariana.geraldine@approach.com.br - Tel: +55 (11) 98932-1448

Fale sempre com seu médico.

Acompanhamento com seu médico de confiança e realização de exames regulares podem ajudar você a controlar o diabetes, além de colaborar para reduzir as chances de doenças cardíacas ou de derrame (AVC).

Em menos de um minuto você pode descobrir seus fatores de risco para o coração.

Conheça os principais sintomas que podem estar associados a doenças cardiovasculares.