Veja abaixo a nossa newsletter com matérias sobre saúde do coração e diabetes.

Tá na mídia

Para notícias internacionais e outros materiais, como infográficos, fotos e vídeos sobre o diabetes e outras áreas terapêuticas, visite o site global da Novo Nordisk clicando aqui (em inglês).

Matérias

SAIBA O QUE É ATEROSCLEROSE E A IMPORTÂNCIA DE SE CUIDAR PRECOCEMENTE

Prevenir o desenvolvimento e o avanço dessa doença silenciosa, ainda na infância, é vital

Saiba o que é aterosclerose e a importância de se cuidar precocemente

Os cuidados com o coração estão entre as principais orientações que os médicos devem passar para as pessoas que recebem diagnóstico de diabetes. Isso porque, apesar de ser constantemente associado apenas aos danos à visão (cegueira) e aos membros inferiores (amputações), o diabetes possui laços muito estreitos com o coração.

Confira três motivos que justificam o cuidado especial com o coração:

    1- As doenças cardiovasculares são as complicações mais graves do diabetes, sendo que mais de 80% das mortes por diabetes estão relacionadas a doenças cardiovasculares.¹

    2- As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo, levando mais pessoas a óbito do que qualquer outra causa.²

    3- Mais de dois terços das pessoas que morrem de doenças do coração têm diabetes.¹

O que são as doenças cardiovasculares?

As doenças cardiovasculares (DCVs) são um grupo de distúrbios que afetam o coração e/ou os vasos sanguíneos (artérias e veias), incluindo alterações patológicas, como: doença arterial coronariana, doença arterial periférica, doença cerebrovascular, doença cardíaca reumática, cardiopatia congênita, trombose venosa profunda e embolia pulmonar.³

Comumente interligadas, muitas dessas enfermidades são consequência de uma severa doença do sistema cardiovascular chamada aterosclerose, também conhecida por doença cardiovascular aterosclerótica.

Doença cardiovascular aterosclerótica

Vista como a principal causa de diversas cardiopatias como ataque cardíaco (infarto), acidente vascular cerebral (também conhecido como AVC e derrame), aneurisma da aorta e doença vascular periférica4, a aterosclerose responde por 85% de todos os óbitos decorrentes de doenças cardiovasculares.⁵ Resulta de um processo inflamatório crônico de cunho progressivo5, que leva à formação de placas que se acumulam nas paredes das artérias.

Segundo explica a Associação Americana do Coração (AHA, sigla em inglês para American Heart Association), à medida que essas placas se amontoam, as paredes arteriais passam a ficar mais grossas e rígidas, provocando o estreitamento e até mesmo entupimento do canal dentro das artérias.

Como consequência, o fluxo sanguíneo gradativamente se reduz, uma vez que os vasos sanguíneos é que transportam sangue do coração para todo o corpo e, assim, a quantidade de oxigênio e outros nutrientes que chegam ao corpo diminui, prejudicando o bom funcionamento dos órgãos.⁶

Fatores de risco

A aterosclerose é classificada como uma doença multifatorial. Por isso, quanto maior o número de fatores de risco, maiores são o grau e a gravidade da doença cardiovascular aterosclerótica. São os principais: dislipidemia – que é a presença de taxas elevadas de gordura no sangue, causadas por alterações nos níveis de colesterol total, HDL, LDL e triglicérides –, hipertensão arterial, diabetes, tabagismo, sedentarismo, obesidade e má alimentação (dieta rica em gordura e pobre em vegetais).⁶⁻⁷

Também vale mencionar que as chances de desenvolver a patologia aumentam em homens com mais de 45 anos e mulheres com mais de 55 anos, bem como em pessoas com histórico familiar precoce de aterosclerose – parentes de primeiro grau com menos de 55 anos do sexo masculino e menos de 65 anos do sexo feminino7 – e/ou doença arterial coronariana.⁸

Aterosclerose e o diabetes

A aterosclerose é, sem dúvida, a mais prematura e prevalente entre as doenças cardiovasculares do diabetes, principalmente do tipo 2. Prova disso são as estatísticas do estudo CAPTURE, que apontam que 9 em cada 10 pacientes com diabetes tipo 2 e doença cardiovascular têm aterosclerose.⁵ Idealizado pela indústria farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk, o CAPTURE é o primeiro estudo global voltado à análise da prevalência, da percepção e do tratamento dos fatores de risco cardiovascular em pessoas com diabetes tipo 2.

Como evitar a aterosclerose?

Apesar da aterosclerose geralmente se manifestar por volta da meia-idade e, até pouco tempo, ser vista como uma doença exclusivamente de pessoas com idade avançada, estudos atuais indicam que o processo aterosclerótico começa a se desenvolver silenciosamente já na infância.⁹

Nesse sentido, é fundamental que a prevenção comece desde cedo, para reduzir as agressões às artérias e interromper o desenvolvimento da doença aterosclerótica ainda em seu estágio inicial, evitando complicações futuras. O primeiro passo é realizar exames de rotina com frequência, para o monitoramento médico correto do perfil lipídico.

Adotar um estilo de vida saudável e minimizar os fatores de risco também é essencial. Para colocar isso em prática, é importante adotar hábitos saudáveis, deixar de fumar, praticar atividades físicas regularmente, adotar uma alimentação balanceada, manter o peso ideal e controlar a pressão arterial, o colesterol e a glicose.

A aterosclerose não tem cura, mas pode ser tratada, inclusive em pacientes que não conseguem atingir as metas de controle da doença. Nesses casos, para diminuir a velocidade de progressão ou mesmo interromper o agravamento da doença cardiovascular aterosclerótica para que órgãos vitais não sejam danificados, fazer uso contínuo de medicamentos específicos (drogas hipolipemiantes) que reduzem os lípides, ou seja, colesterol e triglicérides, é uma prática indispensável.⁹

Fale com seu médico!

 

Nota Importante: O conteúdo deste site não substitui a necessidade de acompanhamento médico para fins de diagnósticos e aconselhamentos. Não desconsidere ou altere tratamentos orientados por profissionais da saúde e busque por atendimento clínico sempre que necessário.

 

  1. Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Doenças cardiovasculares são as complicações mais graves do diabetes. Disponível em https://www.portal.cardiol.br/post/doen%C3%A7as-cardiovasculares-s%C3%A3o-as-complica%C3%A7%C3%B5es-mais-graves-do-diabetes - Visualizado em 04/02/2022.
  2. Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Doenças cardiovasculares. Disponível em https://www.paho.org/pt/topicos/doencas-cardiovasculares - Visualizado em 04/02/2022.
  3. Organização Mundial da Saúde (OMS). Cardiovascular diseases (CVDs). Disponível em https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/cardiovascular-diseases-(cvds) - Visualizado em 04/02/2022.
  4. GONÇALVES, P.R.T; MORAES, G.Y.B; PEREIRA, B.A.; GRITTI, A. Aterosclerose e sua relação com as doenças cardiovasculares. Disponível em https://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/08/082_ATEROSCLEROSE-E-SUA-RELA%C3%87%C3%83O-COM-AS-DOEN%C3%87AS-CARDIOVASCULARES-.pdf - Visualizado em 07/02/2022.
  5. Estudo CAPTURE. Disponível em https://www.quemvediabetesvecoracao.com.br./content/dam/brazil/affiliate/www-quemvediabetesvecoracao-com-br/documents/3_CAPTURE%20infographic%20-%20About%20ASCVD.pdf - Visualizado em 07/02/22.
  6. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Dislipidemia e aterosclerose. Disponível em https://www.endocrino.org.br/dislipidemia-e-aterosclerose/ - Visualizado em 07/02/2022.
  7. Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Conheça mais sobre doença aterosclerótica. Disponível em https://www.coracao.org.br/doenca-aterosclerotica - Visualizado em 08/02/2022.
  8. SANTOS, M.G.; PEGORARO, M.; SANDRINI, S.; MACUCO, E.C. Fatores de risco no desenvolvimento da aterosclerose na infância e adolescência. Disponível em https://www.scielo.br/j/abc/a/y96GJC5gmHXWP88wzsVb7Mt/?lang=pt - Visualizado em 08/02/2022.
  9. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). O que é aterosclerose e dislipidemia? Disponível em https://www.endocrino.org.br/o-que-e-aterosclerose-e-dislipidemia/ - Visualizado em 08/02/2022.

Contato Imprensa

Approach Comunicação

novonordisk@approach.com.br

Fale sempre com seu médico.

Acompanhamento com seu médico de confiança e realização de exames regulares podem ajudar você a controlar o diabetes, além de colaborar para reduzir as chances de doenças cardíacas ou de derrame (AVC).

Em menos de um minuto você pode descobrir seus fatores de risco para o coração.

Conheça os principais sintomas que podem estar associados a doenças cardiovasculares.