Veja abaixo a nossa newsletter com matérias sobre saúde do coração e diabetes.

Tá na mídia

Para notícias internacionais e outros materiais, como infográficos, fotos e vídeos sobre o diabetes e outras áreas terapêuticas, visite o site global da Novo Nordisk clicando aqui (em inglês).

Matérias

Diabetes: uma doença crônica que, se não tratada, pode ser fatal

Entender o que é essa doença silenciosa e como ela age pode reduzir riscos e salvar vidas

Diabetes: uma doença crônica que, se não tratada, pode ser fatal

Ao longo do tempo, a definição do que é saúde foi mudando. Em 1948, a Organização Mundial da Saúde
(OMS) definiu “saúde” como o completo estado de bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença [1]. Em 1986, esse significado foi mais detalhado: saúde é um conceito positivo, um conjunto de recursos que permitem viver a vida cotidiana plenamente [2]. Algumas décadas depois, em 2009, os editores do periódico científico The Lancet sugeriram que a saúde poderia ser definida como a habilidade de um corpo se adaptar a ameaças. Para os pesquisadores, essa seria uma definição mais realista, pois não há como garantir uma vida livre de riscos [3].

Com o avanço da ciência, o conhecimento sobre as doenças e suas causas evoluiu bastante, assim como a capacidade dos médicos de diagnosticar enfermidades e indicar tratamentos com potencial para curar ou gerenciar determinadas condições. Por isso, embora o número de pessoas com doenças crônicas esteja aumentado ao longo dos anos, existem tratamentos que possibilitam conviver com elas com qualidade de vida [4].

Saúde e doença crônica

Atualmente, as chamadas doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) são as que mais afetam a população mundial, sendo responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo, segundo a OMS. As doenças cardiovasculares são responsáveis pela maioria das mortes, seguidas por câncer, doenças respiratórias e diabetes [5]. No caso do diabetes, muitos pacientes são diagnosticados vários anos após o início da doença, quando já desencadearam as complicações [6]. Cerca de 50% das pessoas com diabetes tipo 2 não sabem que têm a doença e correm o risco de desenvolver sérios problemas de saúde como resultado disso. Ter mais de 50 anos, estar acima do peso ou ter histórico familiar de diabetes aumentam as chances de desenvolver a doença [7].

Por outro lado, o diagnóstico precoce e o controle rigoroso da glicose podem retardar ou prevenir a progressão das complicações associadas ao diabetes, como as doenças cardiovasculares. Há também evidências de que levar um estilo de vida saudável – incluindo a adoção de uma dieta balanceada –, perda de peso modesta e a prática de atividade física regular são ações que podem manter níveis adequados de glicose no sangue e reduzir o risco de complicações do diabetes tipo 2. [8]

O poder da informação para a saúde

Conhecer os riscos, consultar o médico regularmente, aderir ao tratamento e manter bons hábitos são fundamentais para ter uma vida mais longa e saudável [9]. Ou seja, nesse contexto, a informação é essencial para inspirar ações que impactem na qualidade de vida. Durante a pandemia da Covid-19, o olhar para a própria saúde se intensificou. De maneira geral, embora tenhamos nos deparado com inúmeras notícias falsas, nos tornamos mais informados, conscientes e melhoramos nosso cuidado com a saúde [10].

Em 2020, o download de aplicativos que monitoram marcadores de saúde aumentou 25% [10]. Esse tipo de dinâmica de valorização do autocuidado é bem-vinda para o controle das doenças crônicas. Além de permitir escolhas mais informadas e conscientes, é possível identificar fatores de risco precocemente [10].

De fato, não existe uma ciência exata para manter a saúde em dia e prevenir doenças crônicas, ainda mais quando cada indivíduo tem um histórico e uma realidade diferente do outro. Existem, porém, algumas recomendações, considerando o que podemos controlar. De acordo com a Associação Americana do Coração, para viver de forma saudável com diabetes, é aconselhável [11]:

Uma vida saudável com diabetes

  • Controlar o peso: estar acima do peso ou com obesidade dificulta o controle do diabetes tipo 2. Também aumenta o risco de colesterol alto e pressão alta – fatores de risco para doenças cardiovasculares, que são a principal causa de morte de pessoas com diabetes. Duas maneiras de ajudar a controlar o peso são comer de forma saudável e ser mais ativo fisicamente.
  • Dieta saudável: fazer escolhas alimentares saudáveis, incluindo controlar o tamanho das porções e ler os rótulos dos alimentos, é fundamental para manter o peso ideal e prevenir ou controlar o diabetes.
  • Exercício físico regular: ser fisicamente ativo por pelo menos 30 minutos por dia na maioria dos dias da semana e perder 5% a 10% do seu peso corporal inicial podem reduzir significativamente o risco de desenvolver diabetes.
  • Parar de fumar: fumantes são 30% a 40% mais propensos a desenvolver diabetes do que não fumantes. Para quem tem diabetes, fumar é ainda pior: fumantes têm três vezes mais probabilidade do que não fumantes de morrer prematuramente de doença cardíaca ou acidente vascular cerebral.
  • Cuidar da saúde mental: o estresse pode impactar as pessoas de diversas formas, entre elas estão a dificuldade para dormir, a falta de energia e o impacto no bem-estar emocional.

 

Referências
  1. WHO – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.who.int/about/governance/constitution
  2. Ministério da Saúde. Carta de Ottawa: Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/
  3. The Lancet  - Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(09)60456-6/fulltext#:~:text=to%20the%20Lancet%20journal,founding%20constitution%2C%20adopted%20in%201946.
  4. BMJ. How should we define health? – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.bmj.com/content/343/bmj.d4163
  5. World Health Organization. Noncommunicable diseases. – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/noncommunicable-diseases      
  6. World Health Organization. Diabetes. – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/diabetes
  7. Diabetes What’s Next? What is type 2 diabetes? – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.diabeteswhatsnext.com/global/en/about-diabetes/what-is-type-2-diabetes.html
  8. Diabetes Spectrum – American Diabetes Association - Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5309903/
  9. Diabetes What’s Next? What is type 2 diabetes? – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.diabeteswhatsnext.com/global/en/about-diabetes/what-is-type-2-diabetes.html
  10. Stat News. A surprising pandemic side effect: People are more engaged with their health – Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.statnews.com/2021/06/17/surprising-pandemic-side-effect-people-more-engaged-with-their-health/
  11. American Heart Association - Acesso em 29 de março de 2022. Disponível em: https://www.heart.org/en/health-topics/diabetes/prevention--treatment-of-diabetes/living-healthy-with-diabetes

Contato Imprensa

Approach Comunicação

novonordisk@approach.com.br

Fale sempre com seu médico.

Acompanhamento com seu médico de confiança e realização de exames regulares podem ajudar você a controlar o diabetes, além de colaborar para reduzir as chances de doenças cardíacas ou de derrame (AVC).

Em menos de um minuto você pode descobrir seus fatores de risco para o coração.

Conheça os principais sintomas que podem estar associados a doenças cardiovasculares.